Brasília reuniões, e audiência pública

A luta é antiga, tem 23 anos, e hoje não suporta mais dados viciados que sempre foram usados para justificar o injustificável. A grande verdade, é que a concessão ferroviária de cargas, colocou uma grande amarra no desenvolvimento do Brasil, e aumentou o custo do País em sua produção.

Eu entrei nesta luta em 2015, na audiência pública sobre o PIL no Rio onde se queria perdoar as multas não pagas, se esquecer dos trechos abandonados, e renovar as concessões. Em meu discurso pedi respeito ao dinheiro público, não era para perdoar nada, quem é um bom concessionário, não precisa de subterfúgios, ou ajuda política, para justificar seus atos deploráveis. Passei a partir dali, a estudar, e entender, tudo que estava relacionado as concessões, a tristeza crescia em mim ao ver os erros cometidos, ver a logística do País nas mãos de poucos, e a grande trava criada com estas concessões.

A crise no Brasil criou uma mudança nas empresas, era preciso reduzir custos, e foi aí que muita gente percebeu, que os custos da locomoção do trabalhador, é bancado pelo empresário, então se deixou de contratar quem mora longe, para dar vez a quem mora perto, não importa quem é o melhor profissional, não importa se o serviço feito por quem custa mais em seu transporte, é superior, o que importa é reduzir custos, é preciso sobreviver na crise. Muita gente do governo já fez a conta o custo de mobilidade de um trabalhador chega a 30% de seu salário, o imposto de renda é 27,5%, e o do INSS é 22%, por mais isenção que o governo concedia as empresas, as desonerações criavam a falta de verbas para a administração pública, sem gerar os empregos necessários, era preciso mudar a mobilidade para ir e vir, então foi preciso mudar o endereço do trabalhador, só quem mora perto tem direito ao emprego. Na região onde moro tem um ramal de trem, e descubro, que as pessoas mentem para trabalhar, alegam que moram próximo ao centro, recebem o vale transporte em valor baixo, e vão e vem de trem. Por mais incrível que pareça, o trem não é considerado um transporte de massa, em diversos locais principalmente em Minas, Rio, e no planalto central.

Ano de 2017 estava dando uma volta pelo sistema paulista de metrô, trens, e o Monotrilho quando de repente, encontro o compartilhamento entre trens da MRS e trens da CPTM, um compartilhamento de 23 anos. Em resumo a MRS que sempre compartilhou trem em São Paulo, nega este direito aos trabalhadores do Rio e Minas Gerais. Não queremos acabar com a exportação do minério, não queremos o espaço que eles arrendaram, queremos um pequeno espaço para o povo poder trabalhar e estudar. Apesar de só ocupar 17% em média, as concessionárias poderiam fazer um compartilhamento com trens regionais, ou trens de subúrbio onde o movimento não é grande, por faixa horária. Das 05:00 até 08:00 só trem de passageiros, das 11:00 às 13:00, e das 17:00 às 20:00 também e um último trem, ou 22:30, ou 23:00 para os universitários, demais horários exclusivos para as cargas. Se em vez de ter feito a concessão a uma transportadora, esta fosse feita a um operador que permitiria a passagem de diversos tipos de trem, o problema já estaria resolvido, todos os trechos teriam serventia, e não acarretaria que as tidas linhas consideradas deficitárias, ou por não chegarem a um porto, fossem abandonadas. E até linhas que chegam a portos foram esquecidas, como é o caso da Angra Barra Mansa, que também poderia ser usada como meio de evacuação, em caso de um acidente nuclear. Tudo para eles, para o povo nada, principalmente se lembrarmos que toda nossa malha ferroviária foi construída com o dinheiro público, oriundo dos impostos pagos pelos nossos bisavós, avós e pais. No final de 2017 Minas cria uma nova inconfidência, é a luta pela volta do trem de passageiros.

Em 2018, começam as negociações para a antecipação das renovações das concessões, um começo de esperança, pois a Rumo concordava com a passagem de trens de passageiros, mas as outras transportadoras não querem nem conversar, a Lei 13448/2018 é inconstitucional, e norteia toda a renegociação, que em vez dar passagem outros tipos de carga, incluindo trens de passageiros, vem com a autorização para as arrendatárias transportadoras, poderem levar estas cargas aos portos através de seus trens, o que impede o crescimento de outras empresas no setor, e mantem as linhas desativadas na obscuridade. A medida que as negociações avançavam, a volta do trem de passageiros vai se tornando uma necessidade nacional, reduzir o custo Brasil garantido um transporte eficiente, e dando oportunidade ao trabalhador de trabalhar em outra cidade sem a obrigatoriedade da mudança. Mas na última audiência pública realizada em Minas a decepção, eles vão impor que as renovações mantenham e até ampliem a exclusividade conquistada no arrendamento de 1996.

2019 começa na alegria de um novo governo, a esperança volta, uma vez que este governo não quer dar continuidade ao tipo de contratos realizados no passado, e quer diminuir privilégios. Era para ser ir somente a uma audiência pública, só que seria mais uma audiência onde a voz do povo não ecoa, uma audiência para bater palmas para um Ministro. Nada contra quando este Ministro apresenta um projeto que vai de encontro aos anseios do povo, mas quando o que ele fala afasta a crença das pessoas em um novo governo? Só que além da audiência pública, no dia seguinte, pude ir a uma reunião no Ministério da Infraestrutura, onde somando os dois dias posso concluir os erros, e acertos, desta velha, mais chamada de nova política.

Eu não me envolvi com aeroportos, ou com rodovias, mas em ferrovias eu uso os números deles, as leis vigentes, e todo um estudo sobre demanda, e ocupação da malha ferroviária, mas reparem que para evitar contestações, o Ministro fala que de dentro de armário se sai dois metidos a especialistas em logística. Não querendo entrar no campo da arrogância, como jornalista sempre sou obrigado a falar com especialistas, e sempre escolho quem de algum modo esteja envolvido, e se não for envolvido vou buscar nas universidades, alunos, ou quem faz mestrado, ou doutorado, e até professores. Isto foi feito, e continuará a ser feito para demanda, e outros estudos para a volta dos trens de passageiros. No vídeo mantive a fala do Senador Carlos Viana, Jaques Wagner, onde ele prega a Paz, e a do Senador Flávio Bolsonaro. Abaixo um resumo de tudo que se falou sobre trens na audiência pública.

Um Ministro falando bem, se dizendo super capaz, inteligente, usando uma equipe do governo passado, um edital escrito no governo passado, com diversas reclamações, principalmente a do MPF. Agora só o leilão das linhas recentemente construídas, ou de linhas a serem construídas, sobre as renovações elas serão feitas, mas pela segurança jurídica, só depois do julgamento do ADI sobre a Lei 13448/2018. Também coloquei a fala do Senador Jaques Wagner, onde ele diz que o caminho do meio é sempre a democracia, e a fala do Senador Flavio Bolsonaro, onde ele começa elogiando o trabalho do Ministro, mas procura outras informações sobre o trabalho do Ministério como um todo.

A fala do Senador Carlos Viana me surpreendeu, a ideia de se criar um marco regulatório para comandar as renovações, e corrigir os erros passados me pareceu ser o meio mais certo para acabar com todas as polêmicas, Depois da seção o Senado Marcos Rogério presidente da comissão de infraestrutura do Senado, confirmou a ideia de se criar este marco, só que existe uma Lei a 1832 de 04/03/1996 que regulamenta o transporte ferroviário, que no seu Art. 6 garante o direito de passagem a todos, e que na maioria dos contratos de concessão, seus artigos são totalmente desrespeitados. Por isso o Ministério Público está reclamando muito do edital da Ferrovia Norte Sul, com o Leilão marcado para o dia 28 deste mês. No dia seguinte entrevistei o Senador Carlos Viana saindo da reunião do Ministério da Infraestrutura, vejam o marco pode ser criado, mas a Lei de regulamentação já existe, embora eu nada tenha falado ali, por receio da Lei ter sido revogada, já que todos só falam na criação do marco.

Depois entrevistei o Deputado João Leite, que reclamou mais uma vez sobre a ideia de somente São Paulo receber as verbas de outorga referente as renovações para a construção do Ferro Anel, deixando os demais Estados, sem verba, e sem poder desenvolver projetos de trens de passageiros, para recuperar o emprego e o desenvolvimento.

E para terminar as entrevistas falei com o Deputado Celinho do Sinttrocell, que participa do movimento mineiro pela volta do trem de passageiros desde o início. Começo falando sobre o setor moveleiro de Ipatinga que sonha receber seus trabalhadores vindos de trem, e sonha também em usar os trilhos para distribuir seus produtos.

Por fim gostaria que a comissão de infraestrutura do Senado esclarecesse a situação da empresa VLI, no site da ANTT esta empresa não aparece como arrendatária de uma malha ferroviária, a que aparece é a FCA, seu antigo nome, eu quando escrevo algo sobre eles coloco FCA/VLI, as multas não pagas foram aplicadas a FCA, ai para participar de outras licitação, alguém teve a brilhante ideia de mudar o nome, então a multa não paga é da FCA, mas a VLI por não ter multas a pagar participa de todas as licitações. Lembrando que muita gente já publicou que a vencedora da licitação da Ferrovia Norte Sul é a VLI. A FCA/VLI como a MRS, pertencem a VALE, que também usa seu nome, como transportadora em dois contratos de arrendamento. Quase 70% da malha ferroviária do Brasil está nas mãos da Vale. Onde está o CADE nesta hora?

Aliás, estas publicações sobre a VLI vencer o edital, pode colocar em Xeque o governo Bolsonaro, pois a ruidosa oposição, alegando ser algo com cartas marcadas, pode até pedir o impeachment do Presidente.


Print do site da VLI, mas parece que muita gente não viu.

Concluindo, toda luta está em se cumprir a Lei 1832/1996, na reunião no Ministério, isso ficou claro, se deixar o trem de passageiros passar, pode ser que a demanda reprimida tomasse conta da ferrovia, por isso estamos sugerindo um compartilhamento por horário, assim se a demanda for grande, se coloca um trem atrás do outro, mas não se estoura o horário. Esperamos com esta colaboração, fazer com que o trem se transforme em fator do desenvolvimento, tanto para o trabalhador, como para os empresários do setor de transportes ferroviários.

Obs.: 1 – A Lei 1832/1996 está em nossos arquivos, disponível para baixar em PDF.

2 – Estou em campanha para aumentar minhas inscrições no Youtube o problema todo está que no início eu não ligava para isso, achava que ia te encher o saco pedindo para se inscrever, mas hoje dentro do Youtube, eu preciso disto para ter destaques. No geral, tenho um excelente número de visualizações, de tempo das pessoas assistindo os vídeos, de compartilhamento, das pessoas que marcam gostei, agora de comentários um número razoável, mas de inscritos, um número inexpressivo. Então o jeito foi fazer esta campanha, e se você também precisar avise, que me inscrevo em seu canal. Para se inscrever basta ter uma conta no Gmail. Muito obrigado. https://youtube.com/user/revistaamigosweb

3 – Em dezembro do ano passado criei um grupo no Facebook com o nome Rio de Volta aos Trilhos, com o objetivo de publicar ali algumas notícias ferroviárias, de outros sites, e da grande mídia, que não posso publicar em nosso site. Só que por causa de uma gripe estranha, não fiz a campanha desejada. Convido a todos se quiserem a entrar no grupo, ali vocês poderão acompanhar tudo a que se refere ao mundo ferroviário, com as notícias em geral. https://web.facebook.com/groups/2105320353112313/

Esta semana ao mostrar o site em um grupo de zap, teve gente que estranhou o fato do site não estar pronto, e achar que o Rio de Volta aos Trilhos era uma iniciativa exclusiva. O Rio de Janeiro tem cerca de uns 20 movimentos sociais de apoio ao trem, na criação do site conversei com 12, e bastaram 5 assinarem para eu colocar o movimento Rio de Volta aos Trilhos em um site, como falei acima, uma estranha gripe que ainda não foi embora, me impediu de fazer o trabalho desejado no verão, mas aos poucos tudo vai ficar em dia.

Carlos Senna Jr.
MTB 32447/RJ
carlossennajrjornalista@gmail.com


© 2018 Todos os direitos reservados. Design by: Realidade Virtual